sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Prefeitos querem cancelamento de eleição 2016 e prorrogação de mandatos para 2018

Foto: UBAM
A União Brasileira dos Municípios (UBAM) anunciou que vai propor, através da bancada municipalista no Congresso, a prorrogação dos mandatos dos atuais prefeitos até 2018, e a realização de eleições gerais daqui a dois anos. A alegação é de que diante das crise econômica e política, não faz sentido promover eleições em 2016.

O presidente da UBAM, Leonardo Santana, avalia que a prorrogação evitaria “gastos exorbitantes” em um momento de crise. Segundo o dirigente, o gasto estimado com as eleições deste ano pode ultrapassar R$ 2 bilhões, recursos que deveriam ser destinados à saúde e ao combate à pobreza. “Pra se ter uma idéia dos gastos desnecessários com uma eleição, em 2012, o custo das eleições para prefeito e vereador foi o mais alto da história do país, com um total de R$ 597 milhões, incluindo primeiro e segundo turno, contra os R$ 480 milhões que foram consumidos nas eleições de 2010, para presidente, governador, senador e deputado federal e estadual, ou seja: R$ 117 milhões a mais foram gastos. Isso é um absurdo”, critica.

“Tomando por base dados do TSE, em 26 capitais brasileiras, os candidatos a prefeitos gastaram R$ 1,25 bilhão. Já em 2010, os gastos declarados pelos candidatos a governador dos 26 Estados e do DF somaram R$ 735 milhões”, afirma Santana. “O Brasil não suporta mais a realização de uma eleição a cada dois anos, por isso defendo eleições gerais em 2018”, considera.

Nenhum comentário:

Postar um comentário