quinta-feira, 10 de março de 2016

Paraná tem 43 municípios sem assassinatos há quatro anos

As cidades de Ariranha do Ivaí, CalifórniaKaloré e Lunardelli no Vale do Ivaí, não foram registrados nenhum assassinato em quatro anos.


Para os moradores de 43 municípios do Paraná, incluindo as 05 cidades do Vale do Ivaí, os assassinatos não são uma preocupação. Estas cidades, que correspondem a praticamente 10% do total de municípios paranaenses, estão há quatro anos, desde 2012, sem registrar nenhum homicídio doloso (com intenção de matar). 

O dado consta no levantamento realizado pela Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (Cape) da Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária. O mesmo levantamento mostra a tendência de queda nos assassinatos em todo o Estado. 

Em 2015, o Paraná registrou o menor número de homicídios dolosos dos últimos nove anos. Foram contabilizadas 2.416 mortes – uma queda de 4% se comparada com o ano de 2014, que fechou com 2.515 assassinatos. É o terceiro ano seguido de redução no índice desse tipo de crime no Estado. Em Curitiba, a redução foi de 20% em comparação com 2014. Foram registrados 449 assassinatos no ano passado contra 569 em 2014. Foi o menor número de homicídios registrados em Curitiba desde 2007. 

   EM TODAS AS REGIÕES  - As cidades sem homicídios estão espalhadas por todo o Estado. Das 23 Áreas Integradas de Segurança Pública (Aisp), a região de Apucarana (18ª Aisp) é a que concentra mais municípios zerados de assassinatos: Ariranha do Ivaí, Califórnia, Kaloré, Lunardelli e Rio Bom. 

Posso dizer que estamos em uma região segura”, aponta o delegado da Subdivisão de Polícia Civil de Apucarana, José Aparecido Jacovós. Ele afirma que, além das cidades sem nenhum registro, no geral, a região está próxima ao recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que estabelecem como tolerável 10 mortes a cada 100 mil habitantes. “Registramos cerca de 15 mortes para cada 100 mil. Isso já é um diferencial”, diz ele. 

O delegado explica que com a contratação de novos investigadores, recém nomeados pelo governador Beto Richa, houve um reforço nessa área específica, com a criação de um setor de homicídios na delegacia, proporcionando incremento nas investigações. “Com um alto índice de elucidação dos crimes, inclusive com a prisão dos suspeitos, afasta-se a sensação de impunidade na região”, explicou. 

    TRABALHO CONJUNTO  - Para o secretário da Segurança Pública do Paraná, Wagner Mesquita, o trabalho conjunto das Polícias Militar e Civil, aliado à decisão do governador de criar delegacias de homicídios em Londrina, Maringá e Cascavel, além da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa em Curitiba, foi muito importante para reduzir a criminalidade em todo o Estado. “Nestas cidades onde há uma delegacia especializada para investigar homicídios, a taxa de assassinatos diminuiu ao longo dos anos. É uma decisão acertada. A polícia está cada vez mais especializada e isto reflete na redução da criminalidade”, avaliou Mesquita. 

Outro fator que impacta positivamente na queda da criminalidade, de acordo com o delegado Jacovos, foi o aumento no efetivo da Policia Militar e o consequente reforço no policiamento preventivo. “É todo um conjunto de ações, um trabalho integrado e o esforço do governo que é o que mais contratou policiais”, reforçou o delegado, que há 28 anos atua na área de segurança pública. 

   SUDOESTE  - Na região Sudoeste, a 10ª AISP de Francisco Beltrão, por exemplo, tem quatro cidades sem homicídios há quatro anos: Bela Vista da Caroba, Flor da Serra do Sul, Manfrinópolis e Verê. 

O diferencial é a integração no trabalho prevenção e repressão. É o resultado do entrosamento da atuação da Polícia Civil e da Polícia Militar”, avaliou o delegado de Francisco Beltrão, Valderes Luiz Scalco. "Na área de prevenção, contamos com várias operações da PM para coibir as ações criminosas. Além disso, há prioridade na investigação dos crimes", disse Scalco, que anuncia uma taxa de 83% de elucidação dos crimes. “Contamos também com as demais instituições e conclamamos a população para ser parceira da polícia. Pois a segurança é um dever do Estado, mas também um direito e responsabilidade de todos”, afirmou. 

Confira os municípios sem homicídios há quatro anos: 

Antônio Olinto (Sul) 

Campo do Tenente (Sul) 

Paula Freitas (Sul) 

Bom Sucesso do Sul (Sudoeste) 

Brasilândia do Sul (Noroeste) 

Esperança Nova (Noroeste) 

Rancho Alegre do Oeste (Centro-Oeste) 

Atalaia (Noroeste) 

Jardim Olinda (Noroeste) 

São Carlos do Ivaí (Noroeste) 

Uniflor (Noroeste) 

Lobato (Noroeste) 

Pitangueiras (Norte) 

Santa Inês (Noroeste) 

São Jorge do Ivaí (Noroeste) 

Guaraci (Norte) 

Lupionópolis (Norte) 

Miraselva (Norte) 

Barra do Jacaré (Norte Pioneiro) 

Nova América da Colina (Norte) 

Rancho Alegre (Norte) 

Sertaneja (Norte) 

Quatiguá (Norte Pioneiro) 

Anahy (Oeste) 

Braganey (Oeste) 

Diamante do Sul (Centro-Sul) 

Iguatu (Oeste) 

Altamira do Paraná (Centro) 

Ariranha do Ivaí (Vale do Ivaí) 

Califórnia (Vale do Ivaí) 

Kaloré (Vale do Ivaí) 

Lunardelli (Vale do Ivaí) 

Rio Bom (Vale do Ivaí) 

Bela Vista da Caroba (Sudoeste) 

Flor da Serra do Sul (Sudoeste) 

Manfrinópolis (Sudoeste) 

Verê (Verê) 

Iracema do Oeste (Oeste) 

Maripá (Oeste) 

Mercedes (Mercedes) 

Quatro Pontes (Oeste) 

Quinta do Sol (Centro-Oeste) 

São Manoel do Paraná (Noroeste)

Nenhum comentário:

Postar um comentário