quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Ex-morador de Borrazópolis é assassinado na Argentina

Wagner Maciel é um ex-morador de Borrazópolis e foi encontrado morto nas águas do Rio Paraná na Argentina


O corpo do ex-morador de Borrazópolis Wagner Amantino Maciel, foi encontrado flutuando nas águas do Rio Paraná, no auge do berçário náutico, na cidade vizinha de Rosário em Baigorria Grenadier, na Argentina.  Segundo informações que o Portal B.N (Borrazópolis Notícias) recebeu, o Wagner Amantino Maciel é nascido em Borrazópolis (e irmão de Áureo Maciel que é casado com a Maria Helena Carrara), onde já residiu também no município por algum tempo, e já a alguns anos morava em Ciudad del Este (Cidade do Leste) no Paraguai, onde era casado e tinha um filho. 

SOBRE A MORTE – Segundo veiculado na Rádio Nova Era de Borrazópolis, Wagner teria saído do Paraguai em um avião, com destino a Rosário, na Argentina, levando dinheiro e fazer alguns negócios. Após essa viagem, ele não deu mais notícias, até ser dado como desaparecido. No entanto, dia 07 deste mês, um corpo foi localizado nas águas do Rio Paraná, daquele país. O corpo estava envolvido com um cobertor, uma toalha enrolada na cabeça e numa bolsa de plástico. Após alguns dias, o corpo foi identificado pela mulher de Wagner, mas como ela não era oficialmente casada, não foi possivelmente liberar o corpo. Houve então a necessidade do irmão mais próximo, Áureo Amantino, de Borrazópolis, seguir para a Argentina, para reconhecer e fazer a liberação no IML. No dia 15 de novembro, feriado no Brasil, Áureo, a esposa Maria Helena Carrara, estavam ainda em Uruguaiana -RS, tentando entrar no País vizinho. "Decidimos que vamos cremar o corpo e levar para Borrazópolis”. Disse Áureo.

Confira a matéria publicada pelo site Rosário3.com daquele país.

"Uma descoberta de características macabras ocorreu na terça-feira nas águas do rio Paraná, no auge da creche náutica Nautic Boiser de Granadero Baigorria. Encontrou o corpo de um homem, envolto em um cobertor, uma bolsa de plástico e uma toalha. Pertence a um indivíduo de cerca de 50 anos e o cadáver levou entre 36 e 48 horas na água. Ele foi levado ao Instituto Jurídico Médico para a autópsia correspondente.

Mais tarde, do Ministério Público da Accusação (MPA), eles confirmaram que o corpo de um homem tinha sido encontrado, as características do achado permitem descartar a possibilidade de suicídio, já que o corpo estava envolvido com um cobertor. Ele também tinha uma bolsa de plástico e uma toalha enrolada em sua cabeça.

De acordo com os primeiros testes realizados no local pelo Gabinete de Investigação Criminal da Polícia de Investigação (PDI), o organismo pertence a um homem com idade entre 50 e 55 anos. De acordo com as primeiras indicações médicas feitas no local, teria entre 36 e 48 horas de permanência na água.

No local trabalhado o Procurador da Unidade de Homicídios, Painel Marisol Fabbro, que ordenou a remoção do corpo de água ao Instituto Jurídico Médico para realizar a autópsia". Disse a nota publicada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário