Procure a matéria - Aqui

SLIDES

terça-feira, 8 de dezembro de 2020

ÓBITO - Morre a pioneira Lucinda Braga da Silva em Borrazópolis

Borrazópolis está de luto ao tomarem conhecimento, no início da noite desta terça-feira, 08/12/2020, o falecimento da pioneira Lucinda Braga da Silva, aos 93 anos, conhecida carinhosamente de "Lucinda Pasteleira", viúva do saudoso "Seu Alziro Pasteleiro"

Dona Lucinda deixa uma numerosa família, entre filhos, genros, noras, netos e bisnetos. Ela estava na casa de sua filha Lucineide em Faxinal, bem de saúde, foi quando começou a apresentar algumas complicações como falta de ar, então foi transferida para o Providência em Apucarana, com um quadro suspeito de Covid-19.

Com os exames já  haviam sido coletados, no mesmo dia de seu óbito, foi confirmado que ela estava contaminada com o coronavírus, por isso, foi computada como a 5ª vítima que veio a falecer infectada com a nova doença.  

VELÓRIO E SEPULTAMENTO

O translado será realizado pela Funerária Aliança, e por volta das 10:30 da manhã desta quarta-feira (09), ocorrerá o sepultamento sem velório e com cerimônia reservada aos familiares.

O Portal. B.N. se sensibiliza e reitera nossos sentimentos e solidariedade aos familiares e amigos.

HISTÓRIA

Dona Lucinda juntamente com seu esposo, Alziro Gonçalves, escolheu a cidade de Borrazópolis para formar a sua bela família e construiu uma linda história de amor.

Tudo começou no ano de 1954 quando saíram da pequena cidade Itaperuna no estado de Rio de Janeiro e escolheram Borrazópolis, que antigamente se chamava "Catugi" para morar.

E foi aqui que começaram uma linda história, Alziro trabalhou por muitos anos em uma Serraria que ficava próximo do Campo Municipal, criaram seus 8 filhos e uma filha adotiva, entre os referidos filhos, estão: Adilson, Amélia, Alceni, Laudicéia, Lucinéia, Lucineide, Perilo, Rosenilda (in memorian) e Sandra Mara (sobrinha). Passados alguns anos, Alziro e Dona Lucinda começaram a trabalhar como pasteleiros, onde faziam seus deliciosos Pasteis, Pães, doces e não podendo esquecer dos vários Bolos de aniversários e de casamentos. 

Enquanto a Dona Lucinda ficava em casa cuidando dos filhos e confeccionando os salgados, o "Seu Alziro" pegava a sua bicicleta de cor verde e andava pelas ruas da cidade com o balaio cheio vendendo e entregando nos bares da cidade, os deliciosos pastéis. Sem dúvida, chegava em casa com o balaio vazio. não podendo esquecer que nos finais de semana, os netos que visitavam trazia muita alegria ao casal.

2 comentários: